LATINIDADES – o festival da diáspora negra


Detalhes do Evento


23 a 26/7/2019

Criado em 2008, o Festival Latinidades pauta o fortalecimento de identidades, as formações técnica e política, o empreendedorismo, a arte, a cultura, a comunicação, a geração de emprego e renda e o estímulo às produções artística e intelectual de mulheres negras – mais de 80 milhões na América Latina e no Caribe. O evento acontece no CCSP, pela primeira vez fora de Brasília.
Realização: Instituto Afrolatinas + Griô Produções

entrada gratuita – inscrições para as atividades no site www.afrolatinas.com.br

PROGRAMAÇÃO

23/7 – terça

14h – Sala Jardel Filho
Saudação com Bloco Afro Ilú Obá de Min

15h – Sala Jardel Filho
Ancestralidades como pertencimento: as religiosidades negras e práticas de resistência
Mesa de debate entre mulheres negras que, a partir de diferentes tradições religiosas, discutem ancestralidade, espiritualidade, posse de patrimônio, identidade e intolerância racial.
Com: Analia Santana (Irmandade do Rosário dos Pretos – Salvador/Brasil), Ekedi Sinha (Terreiro da Casa Branca/ Ilê Axé Iyá Nassô Oká – Salvador/Brasil), Juliana Maia Victoriano (Comunidade Batista de São Gonçalo – Rio de Janeiro/Brasil), Iyá Karen D’Osún (Tradição Africana – São Paulo/Brasil)
Mediação: Elizandra Souza

17h – Sala Jardel Filho
Eu me vejo em nós: imagens, escritas da gente negra e o poder sobre as nossas histórias
Se nossos passos vêm de longe, quem foram e são as mulheres e homens que nos conectam com o passado? Neste debate, a oportunidade de pensar junto com artistas, pesquisadoras e professoras sobre o cuidado das experiências de memória e registro ao longo do tempo.
Com: Deborah Willis (fotógrafa e historiadora – Nova York/EUA), Rosana Paulino (artista plástica – São Paulo/Brasil), Miriam Victoria Gomes (professora de literatura – Argentina/Cabo Verde), Fernanda Oliveira (historiadora e Atinuké – Pelotas/Brasil)
Mediação: Luciane Ramos Silva

19h – Sala Jardel Filho
1ª Mostra de Autoestilismo do CCSP
Mostra sobre o processo de desenvolvimento crítico em experimentos performativos e protótipos realizados a partir da utilização e da idealização de roupas e acessórios identitários. O projeto se deu por meio de oficinas e rodas de conversa, em que referências culturais herdadas em família, manifestações comunitárias e elementos da paisagem urbana transformaram os processos criativos dos participantes.
Orientação: Jaergenton Corrêa

das 14h às 19h – Espaços: Missão, Oficinas e Anexo da Sala Adoniran Barbosa
Feira Preta/Latinidades

24/7 – quarta

10h – Sala Jardel Filho
O Toque da Empoderada: Caminhos Diretos ao Prazer, por Diane Ghogomu (EUA)
Vivência de Kundalini ioga e meditações tântricas, uma exploração sensorial a partir do movimento, fala coletiva e toque preparada por Diane Ghogomu, com o objetivo de fortalecer o poder das participantes.

14h – Sala Jardel Filho
Onde nos cabe na riqueza que produzimos? Tema: Economia, trabalho e impasses ético-psicológicos
Reflexão sobre colonialidade, economia, trabalho e impasses ético-psicológicos vivenciados pela comunidade negra em seus confrontos e lutas pela reintegração de posse em termos de bens, serviços e trabalho.
Com: Clarice Val (Terapeuta holística – Salvador/Brasil), Ochy Curiel (Feminista negra descolonial – República Dominicana/Colômbia), Thiago Vinicius (Agência Popular Solano Trindade – São Paulo/Brasil)
Mediação: Sueide Kintê (Jornalista Griô – Salvador-São Paulo/Brasil)

16h – Sala Jardel Filho
Em defesa de nossos territórios: trânsitos e permanências das vidas negras
Falar de existência e territorialidades negras, urbanas ou rurais, torna-se exercício que vai além da localização espacial de pessoas. Nesta mesa, mulheres que têm evidenciado diferentes possibilidades de representação.
Com: Keisha-Khan Perry (Brown University – Jamaica/EUA), Adriana Gomes (Comuna Panteras Negras – Planaltina/Brasil), Josemeire Alves (Casa do Beco – Belo Horizonte/Brasil), Thabata Lorena (Mercado Sul – Taguatinga/Brasil)
Mediação: Thamiris Flora (Unegro/UBM)

18h – Sala Jardel Filho
Performance Corpo Fechado para Balanço
Experimentação artística participativa, coreográfica e sonora que propõe uma reflexão sobre o lugar da mulher negra nos espaços públicos e nos equipamentos culturais da cidade, partindo das relações ritualísticas do passado e da crítica ao presente.
Concepção e coreografia: Paulo Lima (diretor, coreógrafo e bailarino)
Bailarina-intérprete: Léya Ramos

19h – Sala Jardel Filho
Espaço literário

das 14h às 19h
Feira Preta/Latinidades

25/7 – quinta

10h – Sala Jardel Filho
Na luta é que a gente se encontra! Tema: antirracismo e lutas por direito
Em diversas frentes de luta, os movimentos negros e de mulheres negras se firmaram como sujeitos políticos coletivos na sociedade brasileira e na diáspora. Nesta mesa, a  troca de experiências entre ativistas com trajetórias diversas na defesa de direitos e na ação antirracista, em diálogo também com gente indígena.
Com: Marivaldo Pereira (PSOL – Distrito Federal/Brasil), Lúcia Xavier (Criola – Rio de Janeiro/Brasil), Ivana Leal (MNU – Goiânia/Brasil), Sonia Guajajara (APIB – Imperatriz/Brasil), Douglas Belchior (Uneafro e PSOL– São Paulo/Brasil)
Mediação: Taina Aparecida dos Santos

13h – Sala Jardel Filho
Vivência Erótico como Poder: Poder Através do Prazer , por Diane Ghogomu (EUA)
Experiência de terapia holística e sexual voltada especificamente para o empoderamento de mulheres negras. A oficina embarca no tema do empoderamento por meio da corporifição consciente, utilizando meditações ativas, práticas de tantra, ioga e rituais para a libertação de traumas, conexão com a paz, prazer e poder.

15h – Sala Jardel Filho
Somos sementes – representatividade negra e disputa política no Estado brasileiro Tema: participação política negra
Reflexão compartilhada entre políticas negras com trajetórias diversas, que estão na linha de frente das batalhas do poder público.
Com: Erica Malunguinho (PSOL – São Paulo/Brasil), Regina Sousa (PT – Teresina/Brasil), Olivia Santana (PCdoB – Salvador/Brasil)
Mediação: Amarilis Costa

das 10h às 17h
Feira Preta/Latinidades

17h
Partida para a concentração da Marcha das Mulheres Negras SP

26/7 – sexta

10h30 – Sala Jardel filho
Oficina: Ritmos africanos, com Kety Kim
Uma experiência de imersão, a partir de passos simples até mesmo para iniciantes, proposta pela artista e pesquisadora Kety Kim Farafina, que vai transmitir, por meio da dança e das histórias de griôs, um ano de suas vivências no Oeste da África, mostrando a diferença entre sonoridades que, muitas vezes, são confundidas. Os ritmos vão dos movimentos de danças tradicionais, passando pelo sagrado feminino africano às danças urbanas como azonto, ndombolo e coupé décalé (ritmo contemporâneo). Kety Kim Farafina é baiana, pesquisadora de danças e ritmos africanos desde 2007, e já realizou trabalhos com mestres internacionais de renome na dança tradicional como Alsenir Soumah, Youssef Kombassa, Ifono Mohamed e Djanko Camara.

14h – Sala Adoniran Barbosa
Estéticas do ativismo negro, arte-educação e produção cultural
Nesta mesa, discussões a respeito de perspectivas negras, corpos e lugares, criatividade e expressões de sociabilidade, num exercício de reconhecimento do que tem sido feito no Brasil e em outros pontos do Mundo Negro.
Com: Akala – (Músico – Reino Unido), Vanessa Kanga – (Festival Afropolitain Nomad – Camarões/Canadá), Carol Barreto (Designer/Professora UFBA – Salvador/Brasil), Diane Lima (Projeto AfroTranscendence – São Paulo/Brasil)
Mediação: Hanayrá Negreiros (Pesquisadora em indumentária e memórias negras – São Paulo/Brasil)

16h – Sala Adoniran Barbosa
Chega mais, parente! Diálogos com masculinidades negras
Racismo, machismo, sexismo são alguns dos assuntos debatidos aqui a partir das experiências de homens negros homo e heterossexuais, cis e transgêneros.
Com: Túlio Custódio (Sociólogo – São Paulo/Brasil), Spartakus Santiago – (Youtuber/Publicitário – Rio de Janeiro/Brasil), Lam Mattos (Ibrat – São Paulo/Brasil), Sidney Santiago (Cia. Os Crespos – São Paulo/Brasil)
Mediação: Marilea Almeida

17h – Espaço: Anexo Sala Adoniran Barbosa, na Feira Latinidades Afrolab
Oficina: Amarrações e turbantes, com Bangé Yhodhy (Guiné Bissau)
Novas técnicas de amarrações e turbantes com Bange Yhodhy, design e ilustradora da Guiné Bissau, radicada há 12 anos em Cabo Verde, que ensina sobre os diferentes significados das peças, que variam de região para região.

ESPETÁCULOS

19h – Sala Adoniran Barbosa
Eva Rap Diva (Angola)
Eva é um dos maiores nomes da cultura hip hop angolana, sua carreira teve início nas ruas, onde participava de batalhas de freestyle e passou a impressionar com seu flow e repertório narrativo. Em 2013 resolveu ultrapassar o campo do improviso, gravando suas primeiras músicas. Desde então vem se dedicando integralmente à carreira artística, ocupando espaços, do underground ao mainstream, sem deixar de lado o caráter político da cultura hip hop. Seu mais recente álbum, lançado em 2017/18, “Eva”, coleciona nove prêmios.

das 14h às 19h
Feira Preta/Latinidades